sábado, 23 de fevereiro de 2008

GayVN Awards 2008 Parte 1

GayVN Awards

Os melhores de 2007

No último sábado, dia 16, realizou-se a décima cerimônia anual do prêmio GayVN 2008 em São Francisco, Califórnia. Os comentários sobre o evento foram bastante negativos nos Estados Unidos. Críticas de todos os tipos foram feitas, e não estou considerando o veneno dos maus perdedores, daqueles que não suportam ver os agraciados saindo da festa com seus troféus na mão. Refiro-me à crítica de gente que, com muita razão, não suporta mais o lero-lero dessas cerimônias nem tanta idiossincrasia da indústria dos filmes pornôs gays, leia-se AVN – The Industry Standard, jogando confete em si mesma. Com todos os problemas que um evento desse tipo pode ter, ainda assim ele representa um segmento importante da produção de filmes pornôs gays e ser nomeado em qualquer uma das categorias já pode ser considerado uma glória. Receber o prêmio é para poucos, a disputa é acirrada diante da enorme quantidade de títulos lançados a cada ano.

Houve quem reclamasse do local, o Gift Center, no afastado bairro de South of Market, em vez do Castro Theatre, no centro de São Francisco, como aconteceu em 2007. Da falta de transparência na escolha dos concorrentes aos prêmios. Da frouxidão das categorias. Da falta de algumas categorias, como melhor figurino. Por não concorrerem filmes bareback. Pelo GayVN ter se tornado muito parecido com o Oscar de Hollywood. Da cerimônia longa, maçante e previsível. Da substituição de Kathy Griffin por Lady Bunny, Derek Hartley e Romaine Patterson como mestres de cerimônias. Reclamaram até do preço dos ingressos, 100 dólares individual, que não é caro nem para os padrões de cidades como São Paulo e Rio, a não ser que a festa tenha sido realmente muito ruim.

Mas o GayVN não deixa nunca de cumprir sua missão que é provar que pornô gay não é só para punhetar, é para refletir e ganhar a vida, dinheiro, fama, prêmios, depois festejar que ninguém é de ferro! Dar essa prova é uma missão compartilhada pelo GayVN e por esse blog. Esses filmes devem ser dissecados como o homem morto na Aula de Anatomia do Dr. Nicolaes Tulp, o quadro de Rembrandt. Mesmo que essa missão nem sempre revele o que se queira ver, ela é necessária.

Paul Barresi, Rod Barry, Terry LeGrand, Greg Lenzman, Lucas Kazan, David McCabe eTiger Tyson receberam o prêmio honorário de membros da Hall of Fame do GayVN. É natural que cada um tenha seus próprios favoritos mas naquela noite quando estranhamente todos aqueles que vemos pelados estavam vestidos, o júri decidiu premiar apenas estes filmes e estes profissionais:

Best Newcomer: Blake Riley. Ele é um ator que desbancou vários favoritos ao título de "carne nova no pedaço", como os bonitos e talentosos Christian Cruz e Josh Vaughn. Também tirou de campo o brasileiro Ricardo Onça, que faz filmes para a produtora americana AMG Brasil. Nessa disputa prevaleceu furor sexual que Riley exibe em Link: The Evolution (All Worlds Video).


Best Amateur Video: Edge Series 1 (Chaos Men). Essa é uma das categorias “frouxas”, que receberam críticas desfavoráveis. Como explicar que a Raging Stallion esteja nela com o filme Faster! Faster! Fuck Me Harder!? Nesse negócio poucos podem ser considerados “amateur”. Talvez levem em conta a Chaos Men ser uma produtora que recusa estrelas consagradas e ter um elenco de modelos em primeira aparição nas telas, são bonitos e até parecem donzelos. Mas isso não significa que sejam amadores, o produto e o desempenho são profissionais. Amador é estilo.


Best Pro/Am Release: Edinburgh (Collin O'Neal's World of Men). Outra categoria “frouxa”, aliás nem se dão ao trabalho de escrever as palavras por extenso, suponho que Pro significa professional e Am é Amador. É, pois uma categoria híbrida. Collin O'Neal é um ator que já fez muitos filmes, mas essa série World of Men mostra a vida que muitos desejariam para si: O'Neal viaja o mundo inteiro trepando e fazendo filmes. Já esteve em São Paulo, Londres, Santo Domingo, Miami, este foi feito em Edinburgh, Escócia. Quando será que ele vai fazer um filme desses em Cabul ou Teerã?


Best Solo Performance: Ricky Sinz, Grunts (Raging Stallion). Punheta também é sexo! Comprova-o essa categoria, que premia a melhor bronha do ano. Ricky Sinz também poderia estar na categoria de Best Newcomer como um forte concorrente. Grunts é um filme de sexo na caserna que dizem ter sido feito com consultoria de militares, não resta dúvida! Sinz com seu corpo sarado, tatuado, pau médio, levou o prêmio pela carga erótica de colocar uma metralhadora engatilhada no cu, irresistível para americanos cujas armas são garantias constitucionais.


Best Alternative Release: Naked Boys Singing (TLA Releasing). Apresentação em DVD do musical homônimo off-Broadway com marmanjos cantando pelados, sem sexo.

Best Bisexual Release: Bi Accident (Devil's Film). Este blog não comenta filmes bisexuais.


Best Leather Video: Folsom Leather (TitanMen). Filme de uma grande produtora, calejada nesse estilo, com um grande elenco (Rick Van Sant, Arpad Miklos e François Sagat, entre outros grandes) e um diretor jovem, Brian Mills, cuja carreira como fotógrafo levou a fazer filmes com superior qualidade de imagem. Um prêmio que foi dado ao filme de Mills em vez de dar-lhe o de melhor diretor.

Best Oral Scene: Joey Amis, Mating Season (Bel Ami). Dizem que Joey Amis é filho de uma das famílias mais ricas da Eslováquia. Se não for a mais rica pelo menos gerou o chupador mais guloso daquele país, do tipo chupa-engole, protagoniza a mais longa seqüência oral da BelAmi. Um favorito que não decepcionou.

Best Specialty Release: Executive Pleasures 1 (MenAtPlay.com). Produtora britânica especializada em filmes curtos feitos para internet com rapazes vestidos de executivos em cenas solo ou em dupla. Executive Pleasures 1 reúne seis desses filmes em formato de DVD, dirigido por Matt Jordan, mostrando como. os engravatados se soltam fácil. Se houvesse prêmio para melhor figurino os filmes dessa produtora seriam fortes candidatos.

Best Specialty Release (18-23): Rebel (Bel Ami). Na especialidade “lolitos”, sem ser bareback, a Bel Ami é imbatível. Essa produtora deve ter nos fundos um criatório inesgotável de franguinhos bonitos e safados só comparável ao que se vê nos portões dos colégios jesuítas. Paul Valery é o nome do modelo da capa, um monstro de talento para comer bunda.


Continua no próximo post...

2 comentários:

  1. Oi tudo bem

    passando para lhe parabenizar pelo excelente blog.

    Um grande beijo

    excelente final de semana.


    todoscurtem

    ResponderExcluir
  2. jjoni9:43 AM

    Oi!!o blog é d+!!Parabéns!!Um abraço!

    ResponderExcluir

Leu? Agora comente... e divulgue também!