sexta-feira, 9 de maio de 2008

Puta!

Puta!
Mulher por opção

A vida comezinha anda a reboque da pornoexistência. A mais recente prova disso é que os economistas só concederam ao Brasil o grau de investimento depois dos pornoinvestidores o terem feito. Os fundos brasileiros foram o mote da matéria publicada por este blog em 06 de abril. Na economia o fenômeno da orgia dos ricos com os fundos dos pobres nunca se pareceu tanto com o que se observa na sociologia cabocla e na pornologia universal.

Com uma única exceção, Kristen Bjorn Productions, nenhum dos estúdios que veio filmar no Brasil é considerado grande, todos são médios ou pequenos que têm pouca ou nenhuma chance de concorrer com os grandes no mercado e nas categorias principais dos prêmios dos festivais. Resta-lhes categorias “alternativas” e comer o mercado pelas beiradas. Um dos motivos da atração desses estúdios pelo Brasil foi a criação, em muitos festivais, da categoria “Best Latin Films”, na qual participam filmes com atores latinoamericanos. Outro motivo, já mencionado neste blog, é a existência de farta (mas nem sempre de qualidade) mão-de-obra no país. Mas o motivo principal do Brasil ter se tornado atraente para as produtoras foi econômico e corre o risco de desaparecer: a valorização do Real nos últimos anos encareceu as produções estrangeiras rodadas aqui. Pode estar chegando o momento em que elas, para contornar as desvantagens econômicas e continuar usufruindo das outras vantagens, tenham de se estabelecer ou se associar a produtoras locais para produzir de forma compensatória os filmes que nos habituamos a ver. Se forem sinceras as queixas dos produtores de filmes pornôs gays brasileiros sobre o pouco retorno dos investimentos, esse negócio parece ser mais seguro para o produtor externo do que para os produtores brazucas.

A francesa Clair Production foi uma das que investiu no Brasil e alcançou resultados satisfatórios. Embora tenha lançado menos títulos do que a Alexander Pictures e a AMG Brasil, citando suas rivais mais próximas, se sobressai por ter sido ela, junto com a MachoFucker, as produtoras que colocaram o Brasil definitivamente na onda dos filmes "descamisados", assim como a OTB colocou o México e a Colômbia na mesma onda. Curiosamente essa produtora holandesa nunca fez filmes no Brasil. O problema dos filmes da Alexander Pictures é ter abusado da estética da favela, algo só pode agradar a quem nunca foi forçado a conviver com elas e de longe sonha com o dia de vir ao Brasil para fazer turismo (sexual) por lá. A AMG Brasil abusa dos filtros na fotografia e suas duas maiores estrelas, os gêmeos Carlos e Caio Carvalho, ficaram muito aquém do esperado.

Entre 2006 e 2007 a Clair Production lançou Brazil Gonzo, dirigido por Alberto Rey, Puta! e La puta do Brazil, dirigidos por Stéphane Moussu. São três filmes bareback, com locações no Rio de Janeiro e cercanias. Seus roteiros cabem num guardanapo e praticamente não se alteram em todos os filmes da produtora, por isso o valor individual do ator torna-se fundamental para manter o interesse do espectador. Este partido de roteiro, curto e grosso, evita as narrativas difíceis de emendar que acontecem amiúde em musicais, por exemplo, quando os atores estão no meio de uma ação que, de repente, é interrompida para interpretarem uma música.

Como o único ator não-brasileiro em Puta! e La puta do Brazil, o francês Laurent, algumas vezes creditado como Laurent D´Amour (fotos acima), passará para os anais do pornô gay como tal, assim mesmo, designado no gênero feminino, porque ele é mulher por opção. Amigo e assistente do diretor Stéphane Moussu, com quem ajudou a criar a Clair Production há treze anos, seu primeiro filme foi XXL (Clair Production, 1995). Super-passivo, guloso, cabeça raspada, pêlos gentilmente distribuídos pelo corpo, estatura mediana, dono de um encanto original e um olhar de noviço de monge tibetano quando vê uma surucucu. Como diz a sabedoria popular: Olhar penetrante, cu penetrado!

Puta! (reprodução de capa acima) é o filme que deixou Laurent conhecido aqui. Ele chega no Brasil pelo Rio de Janeiro em tomadas aéreas como o anjo de asas do desejo que pousa em Copacabana e começa a dar a bunda para as grandes picas locais. Ele cumpre seu papel de passivo com o empenho de quem descobriu o Brasil e fará deste um país sem pecado não importa onde fica o equador. O roteiro não é explicito como o filme, mas percebe-se que Laurent está procurando um local para se hospedar, passar uma temporada ou viver para sempre. Ele sofre o infortúnio que acomete a maioria dos turistas que chegam ao Rio, tem a bolsa roubada. Entre os pertences levados um jockstrap, uma algema e dois dildos; os dois larápios, Anderson e Jefferson (Júnior Ronaldo na AMG Brasil) fazem a festa. Na última seqüência Laurent faz uma dupla penetração invejável, à beira da piscina, como Maurício (Roger Carneiro na AMG Brasil) e Rodrigo (Joam Jorge na Alexander Pictures), que aparecerão em outros filmes da Clair. No elenco de Puta! vários rostos conhecidos do público brasileiro, como Alexsandro e Reginaldo (Zulu nos filmes da MachoFucker).

La puta do Brazil (reprodução de capa acima) é o mais recente e o melhor dos três filmes. Laurent já não está procurando um local para ficar, o filme é todo ambientado num local que se assemelha a uma pequena pousada de praia cujo dono parece ser o francês. Sem panorâmicas de rua nem de paisagem como cenas de corte, sem trilha para embalar o ambiente, com um elenco pouco numeroso, é um filme enxuto, opção sábia de quem não quer cometer grandes deslizes. Na primeira seqüência Laurent pega na rede um peixe grande: Rodrigo (Joam Jorge na Alexander Pictures), um serviçal que, por acaso, estava por perto, com uma vassoura, limpando o chão, enquanto ele lê nababescamente uma tradução francesa do livro de Isabel Allende “O reino do dragão de ouro”. Começa então a viagem do estrangeiro ao paraíso selvagem levando uma pica tamanho “grandezinha”. Laurent dá uma lição de equilíbrio em várias posições de penetração oral e anal na rede, usando o balanço para compassar a foda. Laurent é dramático enquanto Rodrigo parece apenas cumprir o contrato e, lamentavelmente, tem dermatite no traseiro. Para disfarçar as imperfeições da pele fizeram falta, nesta seqüência, os filtros da fotografia da AMG Brasil.

A segunda seqüência acontece no bar, depois de uma cervejinha, Wildson e Fabrizio formam uma dupla de criolões fortes e singelos. Trepam com muito carinho, finalizam com esperma na bunda de Fabrizio e na boca de Wildson, um ativo que demonstra gostar de gagau. Yago e Laurent, começam na piscina a terceira seqüência que termina no quarto. Yago, conhecido pelos filmes feitos na AMG Brasil, nos quais aparece com o sobrenome Mendonça, para orgulho da família (Darien Leon ou Mujahid na Alexander Pictures, dependendo do papel, se brasileiro ou árabe), é um dos atores mais bonitos do Brasil, dotadinho, passivo, possui um corpo e uma cara de cafuçu perfeitos. Laurent aceita dele carinhos anais com a língua e com dildos de todos os tamanhos. A seqüência culmina de maneira folgazã num fistfucking que comprova a evolução da forma física do ator francês, ou seja, em La puta do Brazil ele está mais arrombado do que em Puta!. A estadia prolongada no Brasil faz isso com as pessoas.

A quarta seqüência tem Fábio e Maurício (Roger Carneiro na AMG Brasil) trepando no sofá da varanda. Maurício dá o cu e geme de prazer com cipoada que leva do parceiro. Recebe uma merecida leitada na boca. No mesmo local tem inicio a quinta e última seqüência, onde agora estão quatro marmanjos assistindo um vídeo e batendo uma punheta coletiva, que abandonam para realizar um pequeno gang bang com Laurent fazendo papel de passivo para Anderson (Anderson Alves na AMG Brasil ou Antonio Bello na Alexander Pictures), Eduardo, Maxwel e Ricardo (Ricardo Onça na AMG Brasil).

Em La puta do Brazil, Laurent engole seis gozadas caudalosas. O papel principal foi entregue ao francês por merecimento e não por chauvinismo, os brasileiros participam como coadjuvantes de pouco brilho. Com exceção de Maurício e Yago, não há nenhum talento que supere Laurent.

Por definição, Gonzo é o estilo de narrativa, em qualquer produção de mídia, em que o narrador abandona qualquer pretensão de objetividade. Em Brazil Gonzo (reprodução de capa acima) este estilo se manifesta na maneira como os atores, em ação, dialogam com o espectador através da câmera, algo parecido com certos repórteres que dizem na TV: “Vem comigo. Vem!”. Mas o resultado não é bom, a edição preserva as ordens do diretor aos atores-narradores, quando se esperava que ele fosse o condutor da narrativa. Se não fosse, pelo menos fizesse parecer. Brazil Gonzo é o mais fraco dos três filmes da Clair Production feitos aqui, talvez por conta da ausência de Moussu na direção ou porque falte Laurent no elenco totalmente brasileiro no qual abundam passivos igualmente putas mas sem a mesma expressão. Fernando é um magrelo, dono do cuzão mais abucetado do pornô gay nacional, fica tão dilatado quanto uma parturiente. Rodrigo (Kaio Brandão na AMG Brasil) é outro magrelo cujo desempenho vai crescendo aos poucos, faria bem se fossem suprimidos os cinco minutos iniciais de sua atuação. A melhor seqüência fica por conta do onipresente Maurício (Roger Carneiro na AMG Brasil), transando com Rafael, um ativo de pica média. Maurício tem uma bela cor de pele e de cabelo, além de ser um versátil muito safado. A atuação dele pode ser comparada à saudosa Ellen Rio, sem os peitos e a buceta, claro.

Mesmo como coadjuvante ainda assim é bonito é ver um criôlo brasileiro gritando “ai minha bunda” em um filme estrangeiro. Mas por que usar tantos nomes diferentes?

Saiba mais:

Acesse o site da
Clair Production

11 comentários:

  1. Realmente os atores brasileiros na maioria estão muito fracos em sua atuação (mesmo que sejam de bico calado e só trepando) talvez devessem ir alguma escola de artes aprender algumas caras e bocas para as cenas e devem aprender que se querem ser conhecidos no mercado tem que escolher logo um nome "artístico" definitivo, porque ficar criando um nome por cada produtora em que trabalham fazer uma confusão pra quem procurar nossos tupiniquins para fazer filmes ou algo mais particular!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo9:07 AM

    Caro Boris,
    vc por acaso já assistiu a programação do FOR MAN ? onde eles encontram tanto lixo para passar ? pior que repetem o mesmo filme no mesmo dia....... que vergonha 1 vc poderia comentar o caso ?

    ResponderExcluir
  3. Anônimo11:12 AM

    Caro Boris Transar,
    eu já mandei um e-mail elogiando
    o seu blog e escrevo novamente
    para parabeniza-lo pois voce foi
    citado e elogiado hoje,11/05/2008 por Vitor Angelo na sua coluna da Revista Folha.
    Abraços,
    Adro

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6:39 PM

    Eu já comi esse Laurent no Rio! Eu não sabia que tava comendo um porn star internacional! Muito safado o cara.

    ResponderExcluir
  5. Leandro Paiacan5:25 PM

    Eu nao concordo que esteja sendo usado tantos filtros na AmgBrasil. Mas tenho que concordar em relacao ao mercado rs.
    Descobri seu Blog por acaso, achei muito interessante e vou acompanhar.
    Parabens pelo trabalho.
    Fico feliz em saber que nosso trabalho esteja sendo comentado, assim poderemos enriquecer nosso trabalho.
    Grande Abraco
    Leandro (Trabalho com AMG aqui no Brasil)

    ResponderExcluir
  6. Anônimo10:05 PM

    sou feliphe e gostei muito da materia. Gostaria muito de saber como posso obter os filmes, ALGUM BLOG site e tal
    ficarei grato
    obrigado e parabens pelo blog

    ResponderExcluir
  7. Caro Feliphe e demais leitores de BORIS TRANSAR:

    Este blog não armazena nem compartilha arquivos audiovisuais.

    Caso você esteja mesmo interessado em baixar Puta!, Puta do Brasil e Brazil Gonzo deve procurar os links dos COMPARTILHADORES DE TORRENTS na coluna da direita do blog.
    Outras formas de consegui-los são:
    Pedir para comunidades de filmes no ORKUT, como a JACK VIDEOS;
    Baixar pelos programas E-mule e Kazaa;
    Pedir em blogs que compartilham filmes, como o SUPER MALE DOWNLOADS;
    Procurar nas locadoras, como a DVD G.

    ResponderExcluir
  8. Herbert6:19 PM

    eu particulamente prefiro os filmes com brasileiros, são mais gostosos e exalam sensualidade...
    Aguem sabe onde podemos baixar esses filmes...
    mande para meu e-mail: herbert_ma30@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Caro Hebert:
    Esta sua pergunta "sabe onde podemos baixar esses filmes" já foi respondida acima.
    Cordialmente,

    BT

    ResponderExcluir
  10. Olha, o Laurent não faz o meu tipo (sou mais algo no estilo do Maurício e do Yago, os bons cafuçus nacionais), mas tenho que admitir que ele é admirável. Poucos atores dão com tanto tesão quanto ele.

    Pena que não temos atores tão "dedicados" quanto esses.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo7:22 AM

    Esse Mauricio (Roger Caneiro, Jacome Rosales) como é o nome verdadeiro dele nome e sobrenome por favor

    ResponderExcluir

Leu? Agora comente... e divulgue também!